À medida que os entrevistados da pesquisa online mudam, os pesquisadores e as pesquisas devem se adaptar.

Se pensarmos que o cenário do mercado e dos clientes sempre está em evolução e mudança, é preciso pensar que as pesquisas de mercado também devem acompanhar essa tendência. Por isso, encontrar pessoas com o perfil correto e ganhar o engajamento em suas respostas é essencial. 

Pesquisas recentes apontam que as atitudes dos entrevistados continuam a mudar ano após ano. Inclusive o modo como respondem e a plataforma que utilizam. Atualmente, é cada vez mais provável que os entrevistados completem as pesquisas por meio de seus dispositivos móveis. Por isso, a construção da própria pesquisa e suas perguntas devem ser repensadas. Evidências recentes mostram que esses respondentes têm preferências muito específicas em relação ao design da pesquisa, duração da pesquisa e perguntas da pesquisa. Resumindo, os entrevistados estão se tornando menos tolerantes com pesquisas longas e tediosas que não são otimizadas para uso móvel. 

Essas mudanças e adaptações pensadas ao público são importantes, afinal os pesquisadores competem entre si pelo tempo e pelas respostas dos entrevistados. Então, o que os pesquisadores podem fazer para atrair e envolver os entrevistados? O primeiro passo é entender quem são os entrevistados e o que eles querem.

Quais tendências estamos vendo com as pesquisas para celular?

Segundo dados revelados pela Cint, o número de entrevistados que respondem a pesquisas em seus dispositivos móveis aumentou novamente, de 34% em 2019 para 37% em 2020. As conclusões de desktop diminuíram proporcionalmente, caindo para 57% em 2020, de 61% em 2019.

Além disso, eles afirmam que a taxa de conversão móvel também melhorou em 2020. A taxa de conversão é definida como a proporção entre o número de pessoas que iniciaram uma pesquisa e o número de pessoas que concluíram a pesquisa. A taxa de conversão móvel melhorou para 97%, acima dos 86% em 2018. Isso ocorreu em todos os gêneros, países e idades.

Por isso, a otimização das pesquisas para dispositivos móveis tem sido um tópico nas pesquisas de mercado há algum tempo. Com o número de entrevistados respondendo a pesquisas em dispositivos móveis a cada ano, esse tema se tornou cada vez mais importante.

As necessidades de quem responde as pesquisas em dispositivos móveis

É importante levar em consideração as necessidades dos entrevistados em dispositivos móveis por vários motivos, especialmente para garantir que sua pesquisa seja viável. O que torna os respondentes móveis diferentes? Em comparação com a população respondente em geral, os respondentes móveis tendem a ser mais jovens e mais do sexo feminino. Os usuários móveis também têm atitudes diferentes, pois são (previsivelmente) mais propensos a adotar novas tecnologias. Isso não está necessariamente relacionado à idade: quando ponderado por idade, o resultado é o mesmo. Assim, uma pesquisa que não é otimizada para dispositivos móveis pode distorcer inadvertidamente os resultados, alienando essas populações.

Infelizmente, isso provavelmente já está ocorrendo em muitos casos. A pesquisa mostra que os usuários de telefone celular eram menos propensos a concluir uma pesquisa do que os usuários de desktop. Isso indica que os pesquisadores devem otimizar suas pesquisas para dispositivos móveis para melhorar a representatividade e reduzir o desgaste de participantes e painéis.

 

Como adaptar as pesquisas de mercado para aumentar o número de respondentes em  dispositivos móveis ?

Aumentar a resposta a pesquisas de mercado em dispositivos móveis exige uma consideração cuidadosa do design da pesquisa e uma compreensão das particularidades do comportamento do usuário em dispositivos móveis. Aqui estão algumas dicas para melhorar a taxa de resposta para pesquisas em dispositivos móveis:

  • Design responsivo: Garanta que suas pesquisas sejam totalmente responsivas, o que significa que elas se adaptam automaticamente para caber na tela do dispositivo do usuário, seja ele um smartphone, tablet ou computador desktop.

  • Simplifique o design: Em uma tela menor, o design limpo e simples é mais eficaz. Evite perguntas complexas ou que exigem muito tempo para responder. Mantenha as perguntas curtas e diretas.

  • Microsurveys: Considere a realização de “microsurveys”, que são pesquisas muito curtas projetadas para serem concluídas em poucos minutos. Isso respeita o tempo do usuário e torna mais provável que eles completem a pesquisa.

  • Personalize suas pesquisas: As pesquisas personalizadas tendem a obter taxas de resposta mais altas. Use o que você sabe sobre seus respondentes para personalizar as perguntas sempre que possível.

  • Utilize a tecnologia de dispositivos móveis: Aproveite as capacidades únicas dos dispositivos móveis, como geolocalização, para tornar as pesquisas mais interativas e atraentes.

  • Evite downloads: Se possível, faça sua pesquisa acessível através de um navegador móvel para evitar o obstáculo de fazer os usuários baixarem um aplicativo para participar.

  • Incentive a participação: Ofereça incentivos para concluir a pesquisa, como recompensas, descontos ou acesso a conteúdo exclusivo. Isso pode ser especialmente eficaz para pesquisas mais longas.

  • Teste a pesquisa: Antes de lançar a pesquisa, teste-a em vários dispositivos e tamanhos de tela para garantir que ela seja fácil de usar e não tenha problemas técnicos.

Adaptar suas pesquisas de mercado para dispositivos móveis é uma estratégia importante para alcançar um público mais amplo e obter uma maior taxa de resposta. No entanto, é importante lembrar que a qualidade das perguntas e o valor que a pesquisa oferece aos respondentes são os fatores mais importantes para o sucesso.